domingo, 6 de junho de 2010

BRILHANTE ESTRELA SOLITÁRIA - (Reportagem do Jornal Mania de Sáude)


Rômulo Santos é flamenguista.Mas,como atleta é quase um botafoguense.Afinal,desde que passou a se destacar em competições de natação e Aquathlon,país e mundo a fora,o campista cumpre o destino de uma verdadeira estrela solitária,daquelas que brilham com todo o seu fulgor, mesmo com a mais profunda escuridão.
Atleta desde os 2 anos de idade,quando passou a nadar para curar uma bronquite,Rômulo se apaixonou,desde cedo,pelo esporte.Com esta paixão,conquistou 572 medalhas,divididas em competições de nado(piscina e mar aberto),aquathlon e triathlon,que envolvem natação e corrida e natação,corrida e ciclismo respectivamente.Em 2009,chegou a competir na Austrália,no Campeonato Mundial de Aquathlon,onde ficou em nono lugar,representando o Brasil,Isso sem falar no que ele representa para o próprio país.
Isso porque,treinado há quatro anos pela esposa América Quintanilha,Rômulo já nadou pelo Fluminense e Vasco da Gama,além de ter conquistado entre outros títulos,o bicampeonato sênior da Travessia dos Fortes,o Campeonato Estadual e o Brasilerio de Aquathlon em 2009.Este ano, o atleta pretende ir ao Mundial,na Hungria,em que já está classificado.Mas seu principal objetivo mesmo é chegar as Olimpíadas de 2016.
" Por isso é que passei a fazer triathlon.Abandonei o nado em clubes e hoje estou independente,treinando o aquathlon e o triathlon.A primeira ainda não é uma modalidade olímpica,mas está em pauta.A segunda já é.Então treino as duas para ter mais chances",disse.
O brilho de Rômulo no esporte,no entanto,é solitário.Como a maioria dos atletas amadores,ele sofre as dificuldades da falta de apoio e incentivo na carreira."Geralmente as pessoas olham minhas fotos no pódio e acham que, por estar ali,não preciso de apoio.Mas ganhar é uma consequência de um trabalho que começa bem antes",afirma.
A queixa do atleta se justifica no fato de,entre outras coisas,ter deixado de ir a um Mundial, no México,pela Seleção Brasileira de Aquathlon,simplesmente por falta de condições financeiras."Existe o prgrama Bolsa Atleta.Mas ele nunca sai em dia,principalmnete em Campos,que tem poucos atletas.Em 2009,por exemplo,só recebi as parcelas atrasadas de 2008.Ou seja,até hoje,não recebi nada nem de 2009 nem de 2010.Isso pesa muito para quem se dedica mesmo ao esporte,porque há a necessidade constante de alimentação,suprimento e viagens.Já deixei de ir ao México competir pelo Brasil por falta de apoio.",lamenta.
Pelo currículo de Rômulo e sua fama entre os esportistas nacionais,que o consideram de altíssimo nível,é fácil entender sua mágoa."Essas grande competições, levam nosso nome para fora.Todo atleta bem sucedido possui uma estrutura de apoio e patrocínio.No meu caso,isso está cada vez mais difícil,pois tenho até dívidas acumuladas.E é lastimável ter amigos atletas de cidades pequenas,sem o preparo e os títulos que eu tenho,mas com estrutura três vezes maior que a minha.",ressalta."Tenho título de profissional, mas estrutura de amador.Se tivesse apoio,poderia fazer muita mais pela minha cidade e pelo meu país.",acrescenta Rômulo que, no dia 22 de Maio,venceu a 1ª etapa do Campeonato Brasileiro de Aquathlon, em João Pessoa,PB,confirmando seu brilho no esporte."Foi uma seletiva para o mundial,mas já estou classificado,por ter sido o campeão do ano passado.Agora só falta ir",finaliza.





FONTE: JORNAL MANIA DE SAÚDE - WWW.JORNALMANIADESAUDE.COM.BR

2 comentários:

  1. Leonardo Barcânias6 de junho de 2010 14:12

    É isso aí Rominho!!!

    Muito bacana a reportagem!

    Parabéns mais uma vez!

    Força e bons treinos!

    abraço, léo.

    ResponderExcluir
  2. parabéns romulo
    e força sempre

    ResponderExcluir